sábado, 7 de julho de 2007

Prá Não Dizer que Não Falei das Flores (Caminhando)

Compilação homónima (edição portuguesa), lançada em 1980, com a tema de hoje (ao vivo e em estúdio)

Geraldo Vandré tem uma canção que é um sempiterno hino pacifista. Esta canção foi primeiramente gravada no Estádio do Maracanã, em 1968 (mas proibida pelo regime, pelo que só foi editada 12 anos mais tarde). Francisco Fanhais chegou a gravá-la ao vivo, no disco República (disco conjunto com José Afonso editado apenas em Itália, dificílimo de encontrar).


Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais braços dados ou não,
Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Caminhando e cantado e seguindo a canção

[refrão]
Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Pelos campos há fome em grandes plantações,
Pelas ruas marchando indecisos cordões,
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão,
E acreditam nas flores vencendo o canhão.

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Há soldados armados, amados ou não,
Quase todos perdidos de armas na mão,
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição:
De morrer pela pátria e viver sem razão,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Somos todos soldados, armados ou não,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais, braços dados ou não.

Os amores na mente, as flores no chão,
A certeza na frente, a história na mão,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Aprendendo e ensinando uma nova lição:

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

2 comentários:

José Lima disse...

http://www.youtube.com/watch?v=D_cQz6IElgc

Eduardo F. disse...

Obrigado, amigo José Lima, pelo vídeo.

Em breve voltaremos às "hostilidades".